sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Cordel do Grower que Rodou! [PotPoets #143]

por Carlindo Pereira

 

Meus amigos, eu me dei mal,
Esta é uma história de injustiça.
Eu perdi meu matagal,
Por causa da polícia.
Vou contar o que rolou,
E no fim perdi meu grow.


De começo plantei prensado
E cresceu muita folha e galho.
Era sativa pra todo lado
Mas a flora demorou pra caralho!


Minhas plantinhas viraram monstras,
Mas agora eu queria outras.
Queria melhorar o sistema
Genética pra fazer valer,
Tempo e esforços no esquema.
E até pedi seeds no Hyper!


Comecei com a strain White widow,
Híbrida que cultivei com facilidade.
Com o resultado, minha mente pirou,
Não pela potência, mas pela liberdade!


Fazer ficar bom é só querer,
Então me esforcei pra cacete.
Mandei Kushberry, Ice e Jack Herer,
Mas a melhor foi a AK47!


#Primaveraverde rendeu Black Jack
e várias outras strains pesadas!
Tostei várias no beck,
E também vaporizadas.


Foi sativa, índica, autoflorescente,
Era cannabis pra tudo que é lado!
Brisei, chapei, refleti, e novamente,
Fui colhendo as de tricoma dourado!
Não quero saber de transparente,
Nem de tricoma leitoso ou opaco!


Plantei até um soltinho da Bahia,
Disseram que era manga rosa.
Essa sativa era só alegria
Mas agora, irmão, escute a prosa!


Nunca imaginava que ia dar treta!
A culpa foi em parte dos porcos,
em parte da denúncia do vizinho careta!
E levaram o resultado de meus esforços.


Sempre trabalhei, fui honesto, fiel a meus valores,
Por que o cabra tem que se submeter ao Estado?
É preciso admitir que essa lei só provoca dores,
Álcool deixa o camarada em pior estado!
Só tem um jeito: modificar a lei atual,
Garantir o grower e o medicinal!


Fiquei lá oito dias,
Dias quentes, noites frias.
Sozinho no escuro, pensei na labuta,
Isso só fortaleceu a luta,
E cresceu o ativismo na mente.
Agora já pipoquei mais semente.


Sou livre pra fumar um,
Não recorro ao tráfico, manja?
Graças às dicas do @growroom,
Eu planto minha própria ganja!


Escute essa, meu irmão lutador,
Cannabis é remédio e sacramento!
Mando na seda e no vaporizador,
Mas nunca o prensado nojento!
Agora tá foda, situação tá osso,
Colheita nova só com muito esforço.
Vou queimando e empurro pra frente,
Preparando o alimento pra mente.
Cavei, fiz o substrato, trabalhei duro,
Quero uma Ice igual à do Peduro!


Irmão de fé presente,
O teu ativismo é paixão.
A Cinderella na mente
e o objetivo: legalização.

10 comentários:

  1. Muito maneiro !

    ResponderExcluir
  2. Na Roda...

    Aspirante a poeta que sou
    não deixarei passar batido
    falar um pouco agora eu vou
    sobre este belo poema lido

    o sistema prefere assim
    chamar de bandido o trabalhador
    prefere promover o fim
    ao invés de valer-se da paz e do amor

    grower não é bandido, nem representa o mal
    que mata e fere em meio a sociedade
    fuma apenas o natural
    sem fortalecer a maldade

    o maldito comércio capitalista
    que impôs as mazelas contemporâneas
    o esquema é bruto, odioso e racista
    e se tu não se encaixa, te botam em cana

    cadê os direitos outrora assegurados
    a "CF88" foi rasgada ou esquecida???
    é duro ver irmãos injustamente encarcerados
    privados da liberdade de viver a vida...





    um abraço ae...pra todos a PAZ DE JAH !!!




    Luiz Ruderallis

    ResponderExcluir
  3. boa rima...firme nas ideias...sujeito firme....parabens!

    mais ai c rodo pelo chero neh cara??
    pq pelas plantinha nao tem como...mais acendo o bagulho ai eh foda o chero atravessa a cidadeee

    ResponderExcluir
  4. Parabens brother!!!
    Foda todo esse odio e preconceito conosco mas graduallmente está mudando... FORÇA a todos nós, não apenas os growers mas aos que infelizmente tem que se prestar a fumar aquilo lá(prensado!)ECA! haha

    Aquela ICE do PEDURO tava um monstro!!! Seja mais humilde! hahaha

    ResponderExcluir
  5. "Cavei, fiz o substrato, trabalhei duro,
    Quero uma Ice igual à do Peduro!"

    HAHAHAHAHAHAHAHA mandou muuuuito!

    ResponderExcluir
  6. me amarrei, é isso ai!

    ResponderExcluir