quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Guerra de Informações Sobre Belo Monte: O que Você Sabe Sobre Isso? [Hemportagem 144#]

por Pietro

Antes de expressar uma opinião sobre qualquer assunto devemos buscar informações básicas para sair da planície do senso comum que impera por aí. O tema da vez, que vem contaminando as redes sociais e ate mesmo a caixa da televisão, é a construção da usina de Belo Monte.

 

A questão não é simples e demanda muito conhecimento técnico e cultural. Para falar sobre o processo de remoção de comunidades indígenas é preciso entender sobre a cultura do povo que habitava nossa terra antes da chegada de Cabral. O que para nós pode ser uma simples mudança, para os índios pode significar a retirada de fontes de energia, alimentos e a perda de simbologias divinas do território. Entre as tribos de índios existem muitas culturas diferentes, que não vivem completa harmonia com as outras tribos. Juntar todas em um conjunto habitacional seria extremamente degradante para a cultura dos mesmos.

 

Mas o objetivo deste post é destacar a importância de buscar informações de uma forma mais neutra possível Para início de conversa recomendo-lhes um documentário (que ainda não foi finalizado) gravado por alguns ativistas paulistas com muita coragem e determinação Belo Monte o Anuncio de uma Guerra tenta tratar com os dois lados da moeda.


Também necessário compreender que movimentos como o Gota D'água, que utilizou de um estilo de discurso autoritário para manifestar opiniões suspeitas. Em resposta alguns alunos de engenharia mecânica da USP produziram um vídeo utilizando-se de dados e informações para transmitir seu recado, um pouco diferente do discurso autoritário dos artistas. E ainda teve o vídeo do Rafinha Bastos provocando os globais com seu niilismo caótico.

 

Mais interessante que defender a bandeira de um vídeo ou de outro é a busca de informações de pessoas que possuem uma respeitável bagagem de informações sobre o tema. Como exemplo posso citar a então candidata a Presidente da República Mariana Silva, que em 2010 falou sobre o tema em entrevista a TV Cultura.


Você não precisa ter um lado, você só precisa ter uma opinião!

29 comentários:

  1. Nenhum = á ZERO , é isso mesmo nenhum índio vai ser removido.
    http://www.blogbelomonte.com.br/2011/12/01/o-globo-oito-perguntas-sobre-belo-monte/

    Crianças os mesmos que criminalizaram a maconha, para poder matar pobres, não querem que ocupemos a Amazônia. Alguém já viu? alguma declaração do James Camerom a respeito do OWS ? já da Marina ele gosta é ou não é.

    ResponderExcluir
  2. Green Peace, WWF e outras entidades defensoras do meio ambiente sao todas patrocinadas por empresas de países que ja devastaram todo o seu meio ambiente em troca de progresso, e agora se veem ameaçados pelo crescimento economico brasileiro.
    Essa campanha contra a usina de Belo Monte é uma balela. E é uma pena que Hempadao, Growroom e outros coletivos pró-legalizaçao da maconha entrem nessa onda enganadora.
    Pelo visto, o unico problema sao os indios. Que se lute entao por uma mudança justa, e nao como é feita desapropriaçoes de terra como vimos hoje no brasil.

    O maior problema na amazonia é o AGRO NEGOCIO. Mega produtores rurais que compram terras na amazonia a preço de banana. Um acre (+/- 4km2) pode custar algo perto de R$ 10 mil. Os caras derrubam a floresta pra plantar soja, eucalipto pra lenha, pinus pra moveis, ou pra criar pasto pros boizinhos pastarem.

    Acorda gente... Querer barrar a obra de Belo Monte é querer barrar o desenvolvimento do Brasil.


    Alguns videos com informacoes importantes a favor de Belo Monte:

    http://www.youtube.com/watch?v=JhYd48tQav4

    http://www.youtube.com/watch?v=gVC_Y9drhGo

    ResponderExcluir
  3. "O que para nós pode ser uma simples mudança, para os índios pode significar a retirada de fontes de energia, alimentos e a perda de simbologias divinas do território."

    Se fosse, pelo menos, ha 50 anos atrás, eu poderia até concordar. Mas nos dias de hoje????
    Desculpe, mas pra mim, só se for a perda da "simbologia da cachaça"

    ResponderExcluir
  4. belo monte vai funcionar abaixo da capacidade, assim como quase TODAS as usinas do mundo. O unico problema real dessa historia vai ser o desvio de dinheiro brabo que vai rola.

    ResponderExcluir
  5. não pensem que alguem dessas ongs estão interessadas em ajudar os indios, tem muito interesse por traz disso, e um deles é nitido de enchergar, eles QUEREM internacionalizar a amazonia. E como eles vão fazer isso se existir uma usina do Brasil construida lá?

    peço que assistam esse video, mais de uma vez se puderem, para compreender a idéia
    http://www.youtube.com/watch?v=kDbMExh1OSQ&feature=share

    Quem manda no Brasil somos nós!

    ResponderExcluir
  6. Assisti a todos os videos que postaram como sugestao, e cheguei a conclusao que vai rolar muita grana com super faturamente, obvio!, mas todas das compensacoes que forem feitas vao se perder pelo ralo da corrupcao. Muito dinheiro!! Bilhoes de reais na mao de politicos e partidos. E quem fica com a conta é a parte mais fraca: os indios que nao serao assentados corretamente.

    ResponderExcluir
  7. marina silva = proibição da maconha.

    acordem

    ResponderExcluir
  8. Quem tiver interesse de esclarecer um pouco sobre o assundo, olhem essa entrevista:

    http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/noticia/2011/10/belo-monte-nosso-dinheiro-e-o-bigode-do-sarney.html

    Tem gente lucrando milhões com isso. Nós, o povo, estamos pagando por isso. Essa negócio de barrar o desenvolvimento do Brasil que é uma balela.

    ResponderExcluir
  9. barrar o desenvolvimento do brasil? conta outra vai, bando de fdp queria ver c eles decidirem cinstruir uma usina no lugar da sua casa, e em troca eles te colocarem em um lugar onde VOCE NÃO QUER MORAR. acorda porra

    Renato aris

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pra quem escreveu esse texto!!!!
    E essa Frase:
    "Você não precisa ter um lado, você só precisa ter uma opinião!"
    Sabias palavras

    ResponderExcluir
  11. Hempadão é pra quem têm laricas de informação mesmo,aqui é só cabeça ativa, sou fã do hempadão e não rasgo seda não kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  12. PAINEL DE ESPECIALISTAS Análise Crítica do Estudo de Impacto Ambiental do
    Aproveitamento Hidrelétrico de Belo Monte

    http://www.socioambiental.org/banco_imagens/pdfs/Belo_Monte_Painel_especialistas_EIA.pdf

    Especialistas vinculados a diversas Instituições de Ensino e
    Pesquisa identificam e analisam, de acordo com a sua
    especialidade, graves problemas e sérias lacunas no EIA de
    Belo Monte.

    ResponderExcluir
  13. Um pedaço da entrevista da Época citada a cima:

    "- O senhor costuma usar a expressão “Síndrome do Blecaute” para se referir ao pânico da população de ficar à luz de velas devido a um apagão energético. Acredita que essa “síndrome” é manipulada pelo governo federal e pelos grandes interesses empresariais para emprestar um caráter de legitimidade a megaobras como Belo Monte?
    Bermann – O que eu tenho chamado de "Síndrome do Blecaute" conduz à legitimação de empreendimentos absolutamente inconsistentes. Belo Monte, como foi provado pelo conjunto de cientistas que se debruçaram sobre o tema (painel dos especialistas), é uma obra absolutamente indesejável sob o ponto de vista econômico, financeiro e técnico. Isso sem falar nos aspectos social e ambiental. Mas se dissemina uma ideia do caos e, hoje, há 77 projetos de usinas hidrelétricas somente na Amazônia que utilizam a "Síndrome do Blecaute" para se viabilizarem. O fato de hoje o aquecimento global dominar a mídia e o senso comum, assim como a própria academia, ajuda a mostrar a hidroeletricidade como uma grande maravilha, independentemente do lugar em que a usina vai ser construída e dos impactos que ela vai causar. Mas o que é preciso compreender e questionar? Hoje, seis setores industriais consomem 30% da energia elétrica produzida no país. Dois deles são mais vinculados ao mercado doméstico, que é o cimento e a indústria química. Mas os outros quatro têm uma parte considerável da produção para exportação: aço, alumínio primário, ferroligas e celulose.
    - As chamadas indústrias eletrointensivas...
    Bermann – Isso. Eu não estou defendendo que devemos fechar as indústrias eletrointensivas, que demandam uma enorme quantidade de energia elétrica a um custo ambiental altíssimo. Mas acho absolutamente indesejável que a produção de alumínio dobre nos próximos 10 anos, que a produção de aço triplique nos próximos 10 anos, que a produção de celulose seja multiplicada por três nos próximos 10 anos. E é isso que está sendo previsto oficialmente.
    - O que poucos parecem perceber e menos ainda questionam, quando essas metas são comemoradas, é a forma como o Brasil está inserido no mercado internacional em pleno século XXI. O quanto o fato de nossa economia estar baseada na exportação de bens primários tem a ver com a necessidade de grandes hidrelétricas?
    Bermann – Desde a ditadura militar, passando pela redemocratização, pelos sucessivos governos até FHC, tem sido assim. Nós imaginávamos que, com Lula, essa questão ia ser reorientada. Porque o programa de governo em que eu me envolvi preconizava a necessidade dessa mudança. E o que aconteceu? Se você comparar os dados de 2001 com os dados de 2010, vai constatar que a economia brasileira está se primarizando cada vez mais. Isto é: cada vez mais são produzidos no Brasil bens industriais primários, sem agregação de valor. E são justamente os bens primários que consomem muita energia e geram pouco emprego. Além disso, satisfazem uma demanda marcada pelo consumismo. E o Brasil se mostrou incapaz de dizer: "Não, nós não vamos fazer isso".
    - E depois esses produtos retornam para o Brasil, via importação, com valor agregado...
    Bermann – É. Eu sempre chamo a atenção para o fato de que, do alumínio primário que o Brasil produz, 70% é exportado. E o alumínio consome muita energia. Para se pegar um barro vermelho, que é a bauxita, e transformá-la em alumínio, é preciso um processo de produção extremamente devastador sob o ponto de vista ambiental. Há um primeiro refino para obter a alumina, que é um pó branco. Esse pó branco tem como consequência ambiental uma borra chamada de “lama vermelha”. Um ano atrás, na Europa, na Hungria, houve uma catástrofe em função do rompimento de uma barragem que continha essa lama vermelha e tóxica. Ela se espalhou pelo Rio Danúbio e foi um horror. E cada vez mais se faz isso no nosso país – e, claro, não se faz mais isso nos países centrais. Isso não está acontecendo agora no Brasil, está acontecendo desde os anos 70."

    ResponderExcluir
  14. Acho que esse espaço é um baita de um espaço para propagação de uma cultura, informação e luta pela legalização da maconha. Por favor editores desse veículo de comunicação magnifico, não percam o foco tentando salvar o mundo. Essa história de Belo Monte, se quiserem, tem coisa para falar para mais 20 anos (fora os 30 anos que já vem sendo falado desde da concepção desse projeto ainda na década de 80 e suas revisões posteriores).

    Legalize Ganja!!!

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Ser Humano Ético: "Defendo, realmente, sob todos os custos, a preservação da natureza, que se esgotada não haverá como refaze-la". Depois de (mal) informado sobre o possível blecaute: "PQP, acabar energia na minha casa... sem meu vaporizador eletrônico não sobrevivo... e se tacarmos uma bomba nos irmãos índios?... acabaria uma discussão"

    ResponderExcluir
  17. ve se estes estudantes que são da unicamp e não da usp ja entraram em alguma floresta, sabem como é para viver la na amazonia, o tipo de espaço de terra rpodutivo que o indio precisa achar para produção de alimento, olha nem vou falar mais, mas com certeza vou mandar a resposta pelo youtube.

    ResponderExcluir
  18. Belo Monte é o caralho!
    Estamos só nos fudendo com esse suposto "progresso".A evolução do Ser Humano é sair fudendo a natureza para fazer estacionamentos,usinas hidreletricas,shopping centers?

    Vamos evoluir de verdade:

    http://www.youtube.com/watch?v=dPJUkx_UJqw

    ResponderExcluir
  19. Bruno Luigi falou tudo! Foco!!!

    ResponderExcluir
  20. Bruno Luigi,a maconha vem da natureza parceiro,se a natureza se esgota não tem maconha,logo esse site não tera mais sentido.

    ResponderExcluir
  21. quem é contra belo monte é contra o progresso

    ResponderExcluir
  22. Belo Monte é regresso!

    ResponderExcluir
  23. Isso, vamos ser contra o progresso!!!

    ResponderExcluir
  24. A ideia inicial da criação da usina de Belo Monte é do tempo da Ditadura militar,é muito obsoleta e ultrapassada meus amigos "progressistas".
    A visão de progresso mudou companheiros,proponho que se atualizem:

    http://www.youtube.com/watch?v=dPJUkx_UJqw

    ResponderExcluir
  25. Isso ai vamos destruir nossa cultura, afinal não conhecemos ela mesmo!! hoje tem ONGs que dão bermudas e computador pros índios, essas tribos sim podem ser realocadas pois já perderam o que tinham de melhor, mas aquelas no meio da amazônia que mantém seus habitos milenares com toda sua sabedoria, eles tem muito a nos ensinar, como viver em paz com a natureza e manter o equilíbrio na terra onde vivem, respeito, tradição, amor, são verdadeiros desbravadores da Amazônia, ao contrário de quem diz que devemos copiar os países desenvolvidos que destruiram suas belezas em prol do progresso, imitar o destruidor?? Seremos os devastadores?? sempre que o Brasil tentou copiar políticas de outros países fracassou.
    Século XXI meus amigos, é hora de uma nova consciência, e de fazer a economia rodar no mesmo carro do respeito à natureza, afinal ela nos fornece tudo que precisamos para viver mais e com, e não é isso que querem? Ao invés de zelar e proteger nossa mãe queremos arrancar tudo de bom que há nela, parabéns TIO SAM seu vírus pegou no mundo todo!

    ResponderExcluir
  26. Antes do Homen Branco pisar no Brasil,antes mesmo desse pais se chamar Brasil,os indígenas já habitavam esse continente.
    Mais respeito com os verdadeiros donos dessa terra,mais respeito com seus ancestrais.Justificar uma atrossidade ambiental e indígena com a desculpa de que isso é financeiramente justificável é no mínimo IMBECILIDADE!

    ResponderExcluir
  27. Da licença ae galeraa, A amazonia e o maior dos tesouros da humanidade. hj sabe q o que faz ela ser o q é, deve-se a TAl diversidade BIOLOGICA. VAmos respeitar essas Crenças, e Estudar melhor o esquema imposto por esses Gringo do Caralhoo.
    qM vaI SE DAR beM COM TD ISSSO?

    ResponderExcluir
  28. A usina de Belo Monte deve ser construida, porque como qualquer forma de energia, tem suas vantagens e desvantagens. Voces falam em preservar a natureza mas uma usina termeletrica, uma das mais comuns utitlizadas no mundo, teria impacto mto superior a uma hidreletrica. Nosso pais tem um regime fluvial privilegiado e DEVE SIM fazer uso desse potencial que é renovavel, sim! a agua esta no planeta desde quase seu inicio e nao vai desaparecer. Ninguem comentou aqui sobre a hidreletrica que esta sendo construida no Rio Madeira - essa sim vai causar danos enormes devido à caracteristica deste rio (é um rio branco, rios com grande quantidade de sedimentos argilosos). Então, aos meus amigos ambientalistas hipocritas: - NAO QUER BELO MONTE?? ENFIE NO CÚ SEU COMPUTADOR, TELEVISAO, ETC, E VÁ VIVER NO MATO!!

    ResponderExcluir
  29. Ola George Santos,
    O que barra o desenvolvimento do Brasil e essa economia baseada em exportacao de bens primarios. A energia que a Belo Monte produzira sera para abastecer as industrias de ben primario, como a do aluminio. Ela nao chegara na casa de ninguem.

    ResponderExcluir