quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Baseado Perdido na Árvore é Coisa de Duende [Adão e Erva #151]

A história de hoje é para aqueles que não acreditam em duendes. Adão é o homem milenar presente em todos os maconheiros do mundo, posto que amantes incondicionais da erva. Certa vez, no centro de uma grande cidade, toda a trupe da marofa se reuniu entre duas ou três árvores para fazer uma fumaça. Carburaram no caminho, acharam um banquinho, apertaram algo mais que dois ou três fininhos: tinha uma tora.

 

Variedades diversas de um bom beck plantado, enrolado e sagrado. O grupo de gurus entocando flagrantes feito cangurus tacou fogo no couvert. Chapa o coco, só um pouco, na entrada. Só que na saída do parque, "oba! lá vem ela… estou de olho nela…" e todos estavam. Putz, porque? Rolé quiçá despretensioso pra acabar com o lazer, ou não, talvez uma inspeção intencional pra cima de nós. Nós?

 

 

Era um pra cada lado. Leste, oeste, norte e sul cada qual com seu representante. Na falta de pra onde ir, dois ficaram, observaram e só. A viatura passou, por onde tinha que passar, sem incomodar ninguém. Mas e as pontas, entre folhas e gramas, cadê? Estávamos nós reunidos entre cinco ou sete árvores. Dez ou doze árvores, no máximo, e uma delas ele colocou aquele baseadão, apertado caprichosamente.

 

No filão das quinze ou vinte árvores que nos cercavam umas 4 eram as mais suspeitas. Mas uma matemática simples deflagrava o infinito emaranhado de galhos de possibilidades para achar o beck na teia natural do arvoredo. Os doidões pareciam fingir para a polícia que eram loucos estudantes de botânica, no meio da noite analisado cuidadosamente cada exemplar daquela espécie que nem se sonha saber o nome. Cadê o beck?

 

Agora a revista ficou mais dura. A viatura já fora de vista, então a galera passou a se portar como hippies doidões de ácido que pareciam apertar as mile uma mãos das árvores, mas não de forma amistosa, e sim literalmente fazendo uma revista às espécimes presentes a procura do baseado da mesma forma como a polícia faria ao grupo. Não, aí não Adão. Ninguém agrediu a árvore e nem entrou na paranóia de proibição ou botar árvore em camburão. Claro que não, mas estavam todos a procura do baseadão.

 

A procura era regada de uma discreta valsa, passava-se de mão em mão, os baseadinhos. A roda se re-forma, sempre. E de longe passa um outro doidão, externo ao grupo e sente a marola. A marola. Pede um trago, ganha vários. Ele ouve dos presentes – já levementes ofegantes da busca incessante e incendiada – a lenda de que um baseado estava escondido: amanha, quando o sol nascer e iluminar cada vão por entre os galhos, assim que o brilho da manhã discernir um graveto de um charro, pode vir aqui e encontrarás: um giga-beck ultra recheado de tricomas dourados.

 

Eram sete, oito ou mais pessoas que além de confirmar a história, volta e meia iam procurar o bendito nas cerca de trinta ou cinquenta árvores ao redor. Adão não achou o beck. Mas viu bem nos olhos do rapaz quando foi embora. Ele tirou uma foto com os olhos do local onde estava e gravou mentalmente as árvores de maior probabilidade descrita pelos gurus da marofa. No dia seguinte ele voltou lá. Adão não viu, mas pode afirmar com convicção. Ou senão… esse imenso baseado foi pra conta dos duendes, que roubam isqueiros há décadas não é a toa.

22 comentários:

  1. aaaaaahhhh!!!!
    O CONTRADITÓRIO BASEADO EM "FATOS REAIS" que frequentemente aparece em abertura de filmes (porque todo FATO é real!!!!) nesse caso se aplica de modo pefeito a essa fantástica mas verídica história descrita por Adão de modo brilhante! O GIGA BECK, A TURMA DA MARÓFA...O "doidão externo ao grupo"...o giroscópio...
    obrigado ADÃO por tão bela descrição deste episódio que com certeza marcou o 2011 de quem estava lá!!!
    ABRAÇO MAROFADO!!!

    ResponderExcluir
  2. Malditos duendes !

    Viram um palntado, direto do pé, e pegaram pra eles !

    ResponderExcluir
  3. HaHa Duente exesti sim...Direto eles roubao pontas , maconha crua , bic....MAis nem Ligo nois tira uma brisa junto HaHa oaskasoaksoak to mais loko qui o coco lógo cedo oasksaosakok

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkk
    Isso ja aconteceu comigo, mas foi nas pedras da praia... o back foi parar la embaixo da pedra e ficou pra Yemanja

    ResponderExcluir
  5. hahah
    muito bom esse maluco escrevendo!!

    ResponderExcluir
  6. Adao curte Marta Medeiros....

    ResponderExcluir
  7. animal o texto! hahha tipico de chapado! perde o beck e passa a brisa toda procurando ahahhahaah aniaml

    ResponderExcluir
  8. Fica um som diferente para a galera.

    http://www.youtube.com/watch?v=mHbSCOBP0sU

    Já perdi bud, ele desapareceu ao bater no chão huahuiahaiuhauih

    ResponderExcluir
  9. pela contagem de árvores era a massinha

    ResponderExcluir
  10. isso sempre acontece, malditos/benditos duendes!!! ja perdi funo dirsas vezes, ate dentro d casa, procuro um tempao e nada dai meses depois, naquela seca eis q surge ele..hauhauahu

    ResponderExcluir
  11. Em vinte anos de erva só perdi um baseado pedalando numa trilha com muito mato. Em compensação quando era menino, viajando e caminhando pelo eixão norte de Brasília, eis que me deparo com um saquinho pra lá de suspeito, pendurado numa arvoré com copa frondosa, galhos grossos, bom pra subir e mandar um escondidinho, com um conteúdo aparentemente esverdeado. Gritei para meus amigos minha intenção de verificar melhor o achado e os amigões começaram a correr em direção ao tesouro. Nunca corri tão rápido em minha vida, pulei mais alto que ginasta olímpico e capturei, antes dos outros, o ouro perdido, tal qual Indiana Jones. Após verificarmos que o conteúdo correspondia à nossa expectativa, torramos quase tudo numa noite só. Ainda deu pra dividir! Ah, era do verdinho, que na época era 90% do que existia no mercado, paraguaio era raro, pasmem jovens, todo mundo queria do prensado.

    ResponderExcluir
  12. Eu curto Martha Medeiros também! Mas o que você viu em comum entre ela e Adão?

    ResponderExcluir
  13. de fuder!!!
    BRAVO, BRAVO!!!

    ResponderExcluir
  14. eu sempre compartilho meu baseado com uns doendes, fumar em compania sempre é bom

    ResponderExcluir
  15. o estilo... que alias, eu gosto muito...

    ResponderExcluir
  16. Duende SAPÃO irmão!!

    ResponderExcluir
  17. eu ja perdi um 50 na arvore, sendo que o banco que eu tava era na frente da árvore, ninguém foi lá eu tenho certeza

    ResponderExcluir
  18. já sumiu 3 baseado torcidinho do meu guidão...
    sempre colocava anoite e de manhasinha quando ia fumar não estava mais lá :/

    ResponderExcluir
  19. já perdi dois baseados aqui em casa, foram eles!!!!

    ResponderExcluir