segunda-feira, 9 de abril de 2012

Rodei em Casa: Drama de quem Sofreu Preconceito Domiciliar! [CaosInCasa #163]

Não só de boas notícias vive o povo da marola, não é verdade? Além dos baques de oposição à negligência da guarda, o maconheiro comum também costuma ter outra história triste para contar: a reação dos pais ao descobrir que o filho fuma maconha. Mas porque tocar nesse assunto? Porque relembrar a badtrip? Pelo mesmo motivo e funcionalidade que o bONG, baque de oposição à negligência da guarda. A ideia é fazer um arquivo denso de relatos reais para mostrar como a realidade do usuário pode ser mais nociva pelo caos social atrelado a imagem do consumidor da erva do que a própria consequência de seu uso.

 

pai briga com o filhoMuitos pais conseguem alcançar níveis de perversidade maior que o da guarda. Isso em troco de quê? Será que afastar o próprio filho de casa é uma medida de zelo? Não. Quiçá de desespero e nada mais. O relato de hoje conta o que certamente muitos de vocês já sofreram. Caso sim, envie sua história: redacao@hempadao.com

 

Uma ligação. Uma voz estranha, como se tivesse morrido alguém. Mas Dona Maria, mãe de Luis Fernando, não tinha nada de ruim a contar. O motivo da tristeza era pra ela tão destrutivo que não podia dizer, ainda mais com o filho de férias em outro país. Só que não era preciso falar nada. A luz se acendeu na mente, na hora! E ele sabia desde aquela ligação: rodei em casa.

 

Não deu outra. Chegou dias depois com presentes da Argentina, mas não agradou muito. Dona Maria estava murcha, carregando todo o peso da culpa nas costas. Sentou e simplesmente falou a verdade: "mexi em suas coisas e achei", antes de chorar muito mais. Nenhum tapa na cara de policial deve doer mais que a lembrança dessa tristeza. Ela não brigou, não bateu, mas sofreu muito. E sem porquê. A mala que trouxe presente também importou sedas gringas para a coleção. O semestre recomeçava e faltava pouco para a colação.

 

O convívio ficou difícil, mas as conversas que se sucederam foram longas. Demorou muito,  mas foi possível ganhar a opinião de Dona Maria. Porém, o pai de Luis Fernando era, tipo comum, o personagem temido da casa. Mas com o passar dos dias, semanas e meses, nem mesmo o nosso caro leitor que nos narra essa história se ligava de disfarçar o que ele achava óbvio: sou maconheiro, com orgulho e amor. Mais do que isso, curso duas faculdade e sou – na medida do possível e impossível – trabalhador.

 

Só que a descoberta real foi traumática, com gritos e esporros. Discussões quentes e um trauma eterno para o irmão de Luis Fernando, que à época tinha somente 10 anos de idade. O coroa perdeu o juízo e fez um barraco, confiscou a maconha e chegou a acender a erva em um pote de vidro para o irmão menor sentir o cheiro. A criança, que não tinha nada a ver com isso, foi vítima da ignorância que afetou o pais de Luis.

 

Após muito mais conversa com o irmão e com o próprio pai, a vida passou a ficar mais tranquila, mas sempre sob a égide da proibição. Mas proibida a maconha já é, não funciona muito o pai compactuar com a loucura do Estado. Dificuldades superadas, a vida dentro de casa como se fosse um estranho. Quase que um exílio. Mas a vida não para, ou pelo menos não parou.

 

A sequência é natural. Hoje em dia Luis diz que não esconde sua marola e que seus pais simplesmente não falam sobre isso. O clima familiar voltou a ser 100% saudável, mas o assunto ainda é um claro tabu. Hoje em dia, ao que parece, eles tentam ignorar o uso da cannabis, ajustando isso a seus entendimentos como algo de privacidade do próprio filho. Há algo a evoluir nessa questão, mas já parece ser um bom começo.

 

Vamos toda semana contar histórias como a de Luiz, pois assim compartilharemos e até acumularemos exemplos para que pais e filhos possam se entender cada vez melhor. Pais, não afastem seus filhos, busquem entendimento e proteção. O conflito só gera separação e perda do controle. Filhos, busquem entender a forma como o preconceito age na cabeça de quem é responsável por sua existência. Ambos, paciência! Menos atrito e mais amor.

 

Caso você tenha uma história para contar, com final feliz ou não, mande email para: redacao@hempadao.com

28 comentários:

  1. belas palavras depois de mais um sermao! Bora acender um blunt agora.

    ResponderExcluir
  2. Entaum, eu rodei em casa e qdo a mae me pergunto o q ea aquilo (erva), respondi: maconha! o GELO QUEBROU E ELA FICOU SEM JEITO!

    ResponderExcluir
  3. rodar em casa é foda
    sei pq aconteceu cmg
    quem sabe eu nao mande a minha história

    ResponderExcluir
  4. em casa sempre é tenso, mais dps fica legalize!

    ResponderExcluir
  5. É muita bad trip mesmo, nada pior do que ver sua mãe chorar. Cai um dia antes do dia das mães, mas agora, depois de muita conversa esta tudo tranquilo.

    ResponderExcluir
  6. mais fika legalize dpois, mais eh foda

    ResponderExcluir
  7. po é chato essa questão, mas, graças à Deus tenho 1 pai que entende minha situação (o engraçado disso tudo é que ele é PM), eu demorei muito mais tempo pra cai com minha mãe do que demorei pra cair com ele, e graças a ele minha situação foi minimizada, era triste ver a reação da minha mãe.

    ResponderExcluir
  8. poha, se eu falar como q foi aki em casa, vcs vão ficar de boca aberta !

    ResponderExcluir
  9. ...ai depois do esporro, o pai foi tomar uma cervejinha no bar...

    KKKKKKKKKKKK

    ser maconheiro é tipo ser gay tá ligado... vc primeiro faz escondido e depois é descoberto ou vc mesmo sai do armario!

    KKKKKKKKKKKK

    e não tem nada de errado em nenhuma das duas coisas... só é ''mal visto pela sociedade''...

    Este vai ser definitivamento o editorial mais legal do Hempadão!

    ResponderExcluir
  10. Quando a casa vai pro chao é foda.. ver a mae chorar nunca foi bom.
    Mas até hoje ela nao me entende, apenas meu pai que finge que eu nao fumo mais.
    Mas é isso, um dia tudo tem de ser esclarecido.

    Paz

    ResponderExcluir
  11. minha mae tinha muito preconceito antes sobre cannabis...pq na real até mesmo eu tinha um preconceito, eu fumava gostava, poren tinha preconceito....um dia como minha mae ja estava desconfiando perguntou se eu fumava maconha? a resposta veio na lata SIM FUMO SIM mae e isso nao faz mal igual cigarro, nao eh droga eh planta, nao dexa retardado faz vc pensar melhor e outras tantas qualidade da Cannabis....até que ela foi se aprofundando e venu que realmente o que eu falava era verdade! e hoje eu fumo um trocando ideia com ela...nao dentro de casa, mas na garagem, no quintal do fundo...sempre to carburanu um e ela nem liga mas....entao se vc tem pais que sao preconceituosos o que vc tem que fazer 1º eh ver se VC NAO TEM PRECONCEITO! 2º ir fazendo da sua opniao a opniao deles! passa a sua visao spbre CANNABIS a seus paie....e tenhu ctz que se vcs fala mae, pai eu fumo maconha e nao fumo cigarro, nao curto bebidas alcolicas e etc....tenhu ctz todo pai vera que cannabis mesmo sendo ilegal eh menos letal do que drogas LEGais ...hempadao tamu junto na legalização

    ResponderExcluir
  12. ixii tuda vez meus pais fala q vai manda eu embora de casa mais nao da nada naoo .. Depois q elis fala um monte para mim eu vo la pego mais um baziado e sai para rua fuma um para destrai a mente !!!!!

    ResponderExcluir
  13. P/mim isso é reflexo do tipo de informaçao que chegaa ate os pais, ou seja, principalmente or jornais sensaconalistas que temos, fato!!! Distorcem informações, colocam medo nos pais e ainda faz questão de televisionar ações policiais/militares no combate as drogas, qualquer pai ou mãe, que fica a mercê desse tipo de informação óbviamente vão ficar absurdamente preocupados... LEGALIZE JÁ!!!

    ResponderExcluir
  14. EH a pura verdade Alexandre .
    a televisao eh um orror indus a opiniao das pessoas mais velhas que nem c importam em ver u q eh realmente verdade q vergonha!!! o q fas mal eh a falta de informaçao.

    ResponderExcluir
  15. Eu ja tive várias discussões com meus pais por conta da erva,cheguei a sair de casa e até mudamos de bairro,meu pai dizia que fumava quando era jovem e que isso não levava a nadae até me incentivou a beber algum drink do que fuma maconha pra vcs verem o que a mídia faz,conclusão hoje em dia nos tomamos uma e fumamos juntos!!!!!graças jahhhhh!

    ResponderExcluir
  16. Vixii ja cai duas ou três vezes, é teensoooo
    mais nunca legalizou não, coroa embaça chora esperneia vixiii! ueheheuehee

    ResponderExcluir
  17. todo maconheiro roda uma hora ou outra em ksa porque com o tempo a gente vai fikando mais desleixados um pouko e acaba esquecendo umas pontas, papeis, galhinhos, sementes, uma hora passa batido e os coroas acham ai o bicho pega

    ResponderExcluir
  18. du caralho esse post!

    ResponderExcluir
  19. curti o post, ja rodei 3 vezes em casa, na ultima vez eles ja tavam meio calejados do fato do filho ser maconheiro, ate tentei mandar umas ideias sobre maconha, mas com pais médicos é foda, eles tem mais argumentos contra que eu pro

    ResponderExcluir
  20. Hempadão nota 10 essa quadro, puts isso é essêncial, precisamos discutir estes assuntos, já sofri com isso sei muito bem o que é, mandarei minha história, que é bem tensa e bem triste, se o hempadão achar por bem que postem ela pra galera ler e refletir, principalmente os pais.

    E ai rapaziada não esqueçam de passar la no

    LEGALIZEPR!

    www.legalizepr.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. eu rodei em casa e foi foda... tive que desenrolar muito pra chegar a como estou agora: com os pais cientes, mesmo que não gostem, que eu fumo maconha.
    conheço outras histórias muito mais cabulosas, de pais que mandaram filhos pra morar com vó no interior, de pais que tiraram filho da faculdade... é foda.
    lidamos com hipocrisia dentro e fora de casa, o debate precisa ser aberto pra que não nos confundam com marginais.

    ResponderExcluir
  22. "Rodei" com meu tio PM, nunca teve muito a ver com minha vida, mas falar que PM é negligente causa um alvoroço, diz que não suporta quem fala mal de polícia e que o sobrinho é um bosta, um maconheiro vagabundo.
    Não ficarei quieto, questionarei e debaterei.
    Tudo começou com uma crítica, à uma imagem que é reflexo da proibição, vocês já devem ter visto, é aquela famosa do facebook, originada do Tropa de Elite: "É Você que financia essa merda". Critiquei como todo bom "maconheiro vagabundo" que sente-se ferido e atacado. Citei a frase de Tico Santa Cruz, proferida no Rock in Rio, que foi vista com tanta brutalidade e revolta por parte de mais um negligente.
    Agora quer ter uma conversa séria comigo e disse que "eu vou ouvir algumas coisas". Mas não ficarei quieto, tenho o que falar e argumentar! NCAnon

    ResponderExcluir
  23. PUTS TAMBEM RODEI EM CASA O FATO FOI UM DOS MAIS COMUNS, MUDANCA DE COMPORTAMENTO SAIA NO ROLE E VOLTAVA MAIS TARDE COM O OLHO PEGANDO FOGO HEHE E NA LARICA REVIRAVA AS PANELAS E COMO TODO BOM MACONHERO TIRAVA AQUELA ONDA NA FRENTE DA TV ,,,, MINHA MAE AXOU UMA 10 DE XA EM CASA ME PERGUNTOU DE QUEM ERA ME DEU MO SERMAO MAS DEPOIS ME PEDIU PRA IR BUSCAR O DONA Q ELA MESMO IA DEVOLVER HEHE MAS ELA SABIA Q ERA MEU VC AXA Q MAE NAUM SABE..... TA ENGANADO VC SAIU DE DENTRO DELA PARCERO UM FIO DE CABELO SEU Q CAI ELA DA FALTA ...... MEU PAI ERA ZICA NAUM ME BATIA MAS DEVA MO CERMAO DE HORAS CONVERSANDO MAS GRACAS A dEUS HOJE TO DE BOA COM ELES TENHO MINHA FAMILIA SAO UM CIDADAO COMUM MEU UNICO DEFEITO EH Q ( GOSTO MAIS DO QUE LAZANHA KKKK) FUIII RICK SP

    ResponderExcluir
  24. Nossa. Minha mãe está mega desconfiada de mim. Um cara foi pessoalmente falar com ela que eu fumo, dizendo que tem provas concretas disso. Eu to doido pra saber quem é o FDP, que ao invés de cuidar de sua vida, quer causar desavenças com a família dos outros. PQP! quando estes inconsequentes vao aprender que maconha não mata!!!! VIVA A LIBERDADE DE EXPRESSÃO!

    ResponderExcluir
  25. Eu ja cai em casa 2 vezes , minha mae pego camarao no banhero e falo um monte de coisa, mais eu desbaratinei e ela mei que acredito que nao era maconha, 1 mes depois cheguei em casa loko trincado mt chaapaado ela ganho eu , minha casa ta um inferno eu vo sai ela ja pensa que eu vou fumar maconha , as vezes eu me pergunto porque EU TO VIVO?

    ResponderExcluir
  26. A primeira vez que meus pais me pegaram foi no ano passado, alguns dias dps do meu aniversário, tinha chegado brisadasso em casa e eles descolaram, mas ae disse que tinha bebido um pouco e eles fingiram que aceitaram a desculpa, falaram umas merdas e fui tomar banho. Quando desliguei o chuveiro, na hora, meu pai entrou no banheiro do nada, começou a revirar todos os bolsos da minha calça que estava no chão e achou uma paranga, então ele falou mais algumas merdas, chamou a polícia e entregou a minha erva pra eles. Os policiais ainda queriam me levar pra delegacia, mas meu pai como é político, achou que o caso poderia se tornar público e abalar de alguma forma a imagem dele na cidade. E o que ele fez? Subornou os policiais! Basicamente considerou, na cara dura, que ter um filho maconheiro é mais vergonhoso do que ser um criminoso (afinal subornar policial sim é crime).
    Isso era bem no início das férias de julho, então ainda me deixaram a maior parte das férias sem dinheiro e preso dentro de casa.
    As esperanças que eu tinha de um dia eles aceitarem, acabaram, mas passadas algumas semanas, aos poucos, as coisas foram voltando a ser como antes em casa...Inclusive eu com a minha erva, claro, mas depois de ter rodado uma vez, tomava sempre extremo cuidado, sempre usava colírio e guardava tanto a erva qnt qualquer coisa relacionada em um maço de cigarros, que eu deixava sempre no saco, até qnd ia dormir. Mas passado um bom tempo, parei com a neurose de não deixar rastros, parei de passar colírio, meio que toquei o foda-se, mas os velhos continuaram sem perceber, então fiquei suave. Porém, rodei de outra forma dessa vez, sempre deixo meu face aberto no meu not pq ngm mexe, mas dessa vez meu pai tinha esquecido o notebook dele na casa do meu irmão mais velho e pegou o meu, ae o face estava aberto e ele viu minhas conversas, óbvio que pelo menos metade dos assuntos era a planta, mas o que fez piorar o clima, é que foi domingo passado, pleno dia dos pais. A grande diferença da segunda vez, para a primeira, é que na primeira ele achou que eu estivesse apenas experimentando, mas na segunda, ele viu eu sou maconheiro msm. Até um dia antes, nós eramos um amor muito forte, sinceramente, se alguém fosse dar um tiro nele, entraria na frente sem pensar nem uma vez. Mas o fato de eu ser um maconheiro, mudou tudo para ele, é como se o preconceito dele fosse maior que o nosso amor, todos os anos que vivemos juntos, nossa relação de pai e filho. Ele disse coisas horríveis de verdade, coisas que eu nunca imaginaria que nem o mais fdp dos pais diria, para ele, o fato de eu fumar maconha, me torna um cara sem nenhum sentimento, que o nosso relacionamento era simplesmente fantoche meu para conseguir dinheiro dele.
    Ficamos alguns dias com um clima bem pesado, mas depois que eu disse ter parado de verdade, pedido desculpas, dito que a família para mim era muito mais importante do que qualquer coisa (principalmente a erva) e que aceitava até fazer um exame daqui a um mês para provar que tinha parado, ele voltou a ser o msm pai de antes, msm que antes do exame ele não volte a me dar dinheiro. Vou ter que ficar até esse exame sem a planta, mas pelo menos tem o lado bom, quando eu voltar a ativa dps de um mês a brisa vai bater como, moooonstra.
    Mas mesmo assim, só imaginaria que meu pai fosse ter uma reação pelo menos parecida com a que ele teve, se eu fosse gay (não que eu tenha algo contra mas desde sempre ele fez questão de deixar claro que odeia).

    ResponderExcluir