terça-feira, 22 de maio de 2012

A Flor Venceu o Canhão na Marcha da Maconha! [Chapa2 Ed. #169]

A mensagem que abriu a Marcha da Maconha de São Paulo era bem clara. "As flores vencendo o canhão" é uma resposta a tudo que aconteceu no ano passado na mesma Avenida Paulista. A rapaziada que não foge da luta ganhou força e cresceu tanto que ficou mais difícil calcular o número de presentes na manifestação. A Globo disse 2 mil, alguns organizadores disseram 10 mil e o Profeta Verde contou 420 mil.

 

O único número preciso foi o de policiais presentes: 200, segundo o Capitão Genivaldo. Mas felizmente os homens de farda estavam lá em missão de paz. Quando a galera ainda estava concentrada no MASP o mesmo Capitão foi pessoalmente conversar com cada grupo, pedindo gentilmente para que fosse respeitado o espaço destinado aos carros e que não usassem drogas ilícitas. Desta vez, a PM trabalhou respeitando a democracia e a liberdade de expressão.

 

Mas não podemos negar nem omitir que muitos fumaram maconha durante a Marcha. E não foi por falta de aviso dos organizadores pedindo para a galera segurar a onda. Sorte que ninguém foi detido e nenhum atrito com a polícia foi gerado por essa questão.

 

Na aula pública Fazendo a sua Cabeça a galera aprendeu sobre a história da proibição das drogas com o professor Henrique Carneiro; sobre como lei proibicionista corrói a democracia com o juiz José Henrique Torres; e como funciona as políticas de drogas mais progressistas do planeta com o jornalista Denis Russo, autor do livro "O Fim da Guerra".

 

"A maconha era uma matéria-prima natural que servia para fabricar papel, tecido, óleo e remédio. Mas quando surgiu o papel de celulose, o tecido de fibra sintética derivado do petróleo e os remédios da indústria farmacêutica houve uma enorme pressão econômica para que este produto natural fosse sufocado e proibido", disse o professor Henrique Carneiro.

 

Na caminhada da Av. Paulista até a Praça da República a fraternidade canábica de indignados coma proibição caminhou pacificamente e ativamente com gritos de guerra pedindo a legalização. Pessoas fantasiadas, com a roupa do trabalho, com crianças de colo ou levando os cachorros formaram uma única massa de ativistas praticando o que a democracia tem de mais bonito.

 

As imagens de cima mostrando as ruas tomadas por esta massa de cannabistas enchem de orgulho que passa o ano inteiro lutado por esta causa. Reunir, 2, 10 ou 420 mil pessoas não é uma vitória apenas dos organizadores. Quem ganha de verdade é usuário e a sociedade que fica cada vez mais perto de se livrar da guerra às drogas.

21 comentários:

  1. hé nois!legaliza Brasil

    ResponderExcluir
  2. O que eu vejo com o crescimento do movimento é que o Bas ganha cada vez mais dinheiro com seus produtos, o Hempadão com anúncios, a Radio Legalize promovendo shows, e assim por diante...
    Estamos diante de um verdadeiro movimento social? Ou vemos apenas um número crescente de pessoas marchando sem saber pra qual rumo ir, sendo guiadas pelos interesses dos "organizadores"?

    ResponderExcluir
  3. Talvez se tirassem uma foto do efetivo policial reunido, fosse mais fácil aferir o número de participantes. Comparando o grupo de 200 com a multidão seria possível perceber que havia bem mais de 2.000.

    ResponderExcluir
  4. ^ Não quer ajudar não atrapalha... Tem gente que tem coragem e pode dar a cara a tapa pelo movimento. Não julgue essas pessoas irmão.
    Se o Bas ganha dinheiro vendendo os produtos, se o Hempadão ganha dinheiro vendendo anúncios... nada mais justo. Isso é pela causa, é por quem dá a cara a tapa, por quem arrisca o emprego e o convívio social pela causa da maconha no Brasil. E outra, vender anúncio ou camisetas não é nada demais, tem todo um trampo por trás disso.

    ResponderExcluir
  5. não alimente o troll

    ResponderExcluir
  6. http://www.marchadamaconha.org/descriminalizastf/

    só 9.000 assinaturas?! Cadê os 10 milhões (5%) de maconheiros?!

    ResponderExcluir
  7. ^ , Recurso Extraordinário (RE) 635659 -> iminente prescrição

    http://www.marchadamaconha.org/descriminalizastf/

    ResponderExcluir
  8. Bas e Hempadao tem todo o direito de ganhar algum tipo de receita com seus ativismos. Afinal, sao eles (alem de outros) quem poe a cara a tapa e tao sempre junto nos movimentos....

    Até eu, se legalizar, vou abandonar tudo e virar grower da minha propria cooperativa.

    LEGALIZE IT!!!!

    ResponderExcluir
  9. O problema não é ganhar dinheiro com o ativismo, mas sim usar o ativismo como forma de adquirir novos "consumidores", visando o lucro, e não a mudança social.

    ResponderExcluir
  10. Perfeito, no RJ tinha que ter sido assim!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  11. essas assinaturas só dão preju porque vendo por ai parece que tem pouco maconheiro, há varias pessoas que fumam maconha que nao tem acesso à internet e que nem sonha o que tá acontecendo (a grande maioria).

    ResponderExcluir
  12. Os mais pobres nem sonham com o que está acontecendo. Por isso poucas assinaturas. Marcha da Maconha é um movimento de classe média.
    Aí a pergunta que fica no ar é: "Sendo os mais pobres os mais necessitados quanto ao fim da guerra, por que o movimento não atinge eles?"

    ResponderExcluir
  13. Não vejo problema nenhum em existir uma industria ligada a cultura canábica. Espero mesmo que tenham muitas industriais com todos os produtos possíveis. Qual o problema de um cara fazer uma revista? Eu vou comprar, porra que legal UMA REVISTA. Se acha errado ele ganhar dinheiro, não compre, simples. Qual o problema se o Hempadão ganha dinheiro com seu trabalho? Tem mais é que ganhar mesmo, puta site legal. Sério: qual é o problema empresas e empreendedores fazerem da cultura canábica e/ou seus produtos industriais uma fonte de lucro?

    ResponderExcluir
  14. Vivemos num país capitalista amigo. Isso quer dizer que, em linhas gerais, Tempo é Dinheiro.
    Todo essa dedicação da galera que faz esse tipo de informação chegar até nós deve ser sim remunerada. Eles também se alimentam (rsrs).
    É um nicho de mercado que se Deus quiser vai ser muito bem explorado de forma LEGAL. E eu quero poder usufruir dessa conquista.

    Que Jah possa continuar guiando a todos que não medem esforços para que a nossa luta seja conquistada.

    Jah Bless

    ResponderExcluir
  15. Dizer que ativismo "ganhar novos consumidores", é o mesmo que dizer que "proibicao combate o consumo"...
    O galera, nao viajem tanto na marola!!!

    ResponderExcluir
  16. http://www.marchadamaconha.org/descriminalizastf/

    só 9.000 assinaturas?! Cadê os 10 milhões (5%) de maconheiros?

    ResponderExcluir
  17. A revista está ai, o site para anuciar está ai, as camisetas estão sendo vendidas por ai... compra quem quer e não compra quem não quer...
    Eu já comprei a revista SemSemente e vou emprestar para os meus amigos que não tem conhecimento do movimento. Informação é ativismo.

    ResponderExcluir
  18. E ganhar dinheiro é algo ruim e "do mal", por acaso? Ninguém faz nada de graça não, amigo. E quando junta ativismo sincero com prazer e com lucro, melhor ainda.

    Ê mentalidadezinha católica arcaica, que nos faz pensar que voto de pobreza é algo superior e divino, e o dinheiro e o lucro são motivo de culpa.

    ResponderExcluir
  19. isso aqui é pela maconha seus bunda,nao é questao ideologica de capitalismo ou socialismo,embora o site manifeste um socialismo,e muitos frequentadores aqui tambem,a ideologia que no une é a legalização da maconha,ou seja dexa vender,dexa ganhar grana,a luta pela tua ideologia poltica é nas urnas irmao

    ResponderExcluir
  20. os dois anonimos em cima mandaram bem,é issae

    ResponderExcluir