quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Conheçam o Coletivo Balance de Redução de Danos! [REeDUcaÇÃO #10]

por Guilherme Storti

 

Salve, salve, Hempad@s!

 

É com imenso prazer que começo o ano escrevendo a nossa postagem #10. Espero que tod@s tenham tido uma ótima passagem de ano e desejo muita sorte e sucesso nesse novo ano que se inicia.

 

No final de dezembro recebi a confirmação de que iria compor a equipe do Coletivo Balance de Redução de Danos, convite esse que já havia sido feito durante o encontro da LANPUD e que apenas necessitava de pequenos detalhes para ser concretizado.

 

Para quem não conhece, o Balance é um coletivo de Redução de Danos que foca a sua atuação dentro do contexto de festas e festivais de música eletrônica. Criado pelo psicólogo Marcelo Andrade em parceria com a psicóloga Luana Malheiro, o objetivo central do Coletivo é orientar os frequentadores dessas festas sobre como não expor á saúde em situações de risco, como por exemplo, cuidados com o uso do protetor solar, hidratação adequada para que o corpo aguente a maratona e principalmente passar as orientações sobre o uso de drogas sob a perspectiva da Redução de Danos, ou seja, o uso consciente.

 

 

Sinceramente, achei uma experiência fantástica! Passamos seis dias habitando o Festival Terra em Transe, que ocorreu na Praia dos Garcês –Bahia entre os dias 27 de dezembro e 02 de janeiro. Ir para uma jornada dessas requer um planejamento um pouco mais qualificado, pois as necessidades aparecem a todo instante. A convivência em coletivo, as dificuldades climáticas e a falta de conforto são aprendizados que podemos levar para a vida toda.

 

Nosso trabalho no festival era dividido em dois tipos de ações: um info-stand, onde as pessoas podiam passar para pegar informações sobre os cuidados com a saúde, uso de drogas e preservativos; a outra ação consistia em atender as pessoas que faziam uso indevido de drogas durante o festival e necessitavam de um atendimento mais especializado sobre o assunto, direcionando posteriormente, caso necessário, ao posto médico para tomar algum tipo de medicação ou ter algum atendimento mais complexo.

 

O trabalho do Balance tornou-se necessário a partir do momento em que se verificou a necessidade de um atendimento mais especializado no consumo de drogas e prevenção, e mais uma vez a redução de danos foi abraçada tanto pelos organizadores do evento, quanto pelos frequentadores. Em ação desde 2006 o Balance já possui um público “fiel”, mas no melhor dos sentidos, pois são pessoas que já conhecem o nosso trabalho e apenas passavam pelo stand para nos cumprimentar e bater um papo sobre uso de drogas.

 

Durante o festival o uso de drogas foi bem intenso, porém essa intensidade não refletiu nos números de atendimentos, pois durante os seis dias que permanecemos no local atendemos apenas um caso grave sobre uso indevido de drogas, que inclusive eu tive a honra de fazer a condução desse atendimento. Sorte ou azar, eu estava lá.

 

A redução de danos mais uma vez mostrou a sua força e eficiência dentro do contexto do uso de substâncias psicoativas, pois acredito que esse baixo número de ocorrências em certo grau tem a ver com a disseminação das informações sobre consumo mais consciente das drogas. Muitas pessoas já nos procuravam com as informações na ponta da língua, querendo apenas dar uma explanada na perspectiva da nossa linha de trabalho. Muito boa essa interação através da troca de informações.

 

Enfim, semana que vem tem mais um pouco da minha experiência durante o festival Terra em Transe junto ao Coletivo Balance.

Grande abraço a tod@s.

Um comentário:

  1. Parece bacana hein, vamos ver!!! Boa sorte ae . D.C.M

    ResponderExcluir