terça-feira, 19 de julho de 2011

Heloisa Helena defende guerra às drogas – Leia na íntegra com comentários de Gerardo Santiago!

A militância proibicionista não faz distinção de corrente política. Na semana passada ex-candidata a presidência Heloisa Helena (PSOL) revelou em um artigo que também gosta do sangue derramado ao defender o “botar pra quebrar contra o tráfico.” Os argumentos pífios em defesa da repressão foram rebatidos pelo advogado da Marcha da Maconha Gerardo Santigo. Confira abaixo!

 

Contra a legalização de mais drogas psicotrópicas!

Por Heloísa Helena (PSOL)*
para o Acerto de Contas

 

Há várias semanas atrás, em artigo publicado sobre o Alcoolismo – morbidade devastadora provocada por droga legalizada, socialmente aceita e irresponsavelmente estimulada pela livre publicidade farsante – deixei claro que a minha análise em relação ao consumo das drogas psicotrópicas não está relacionada a nenhuma orientação religiosa e muitos menos ao cínico moralismo farisaico que desprezo. Esclareço também que este artigo não tem o objetivo de promover o debate sobre liberdade de expressão… embora eu não compartilhe da hipocrisia em alardear o direito amplo, geral e irrestrito da mesma! Não sou favorável a todas as formas de liberdade de expressão, pois não sou favorável, por exemplo, a marcha de nazistas, sites de pedofilia, passeatas que promovam intolerância religiosa ou fomentem preconceitos (como racismo, homofobia, machismo, etc) e violência a grupos vulneráveis socialmente!

 

 

COMENTÁRIO: Heloisa Helena logo nesse primeiro parágrafo pratica o que George Orwell descreveu em sua obra 1984 comoduplipensar, o que significa basicamente dizer uma coisa e fazer outra, ou melhor, usar a linguagem para iludir e enganar ao invés de expressar o que realmente se pensa, isto no que diz respeito a não se guiar por princípios religiosos ou “moralismo farisaico”. Sobre a liberdade de expressão, o seu recado é sinistro e totalitário: trata-se de um direito cuja legitimidade depende do conteúdo daquilo que se expressa, dizer que ele é amplo, geral e irrestrito é “hipocrisia”. Dá para concluir que fosse ela ministra do STF, o julgamento da ADPF 187 garantindo o direito de se manifestar publicamente pela legalização das drogas não teria sido unânime.

Alerto, entretanto que não vale à pena ler este artigo aqueles (as) que compartilham a concepção de que é necessário promover a ampliação de condições para acesso a substâncias psicotrópicas por entender que as pessoas podem livremente escolher métodos de construção de “paraísos químicos” ou “férias químicas de si mesmo e do mundo medíocre”… Da mesma forma seria perda de tempo esta leitura para aqueles que já proclamam o fatalismo da derrota diante do maldito narcotráfico e já não acreditam em nenhuma possibilidade de enfrentá-lo, seja na estruturação e combate pelo aparato repressivo seja no âmbito preventivo das políticas sociais.

 

COMENTÁRIO: Apesar do aviso, insisto na leitura, em que pese me enquadrar nas duas categorias para as quais o texto foi explicitamente desaconselhado pela autora. Eu defendo a liberdade individual de dispor do próprio corpo e acho que a “guerra às drogas” é uma guerra perdida, porque o seu objetivo declarado de eliminar o fenômeno do uso de drogas pelas pessoas é inatingível. Quanto a derrotar o narcotráfico, eu acho possível, só que não através do “combate pelo aparato repressivo”, mas sim tirando dele os seus lucros, legalizando as drogas que por serem atualmente proibidas colocam em suas mãos (do narcotráfico) um multibilionário mercado global.

A minha intenção, nas poucas linhas que tenho disponível para assunto tão complexo, está relacionada ao debate nacional sobre a legalização de novas drogas psicotrópicas que atuam diretamente no Sistema Nervoso Central e alteram sua atividade de forma depressora, estimulante ou perturbadora e sempre promovendo efeitos agudos e crônicos, físicos e psíquicos. Não estou falando “apenas” de fugir do mundo concreto para vivenciar relaxamento e hilariedade mesmo nas desgraças, de perda de memória de curto prazo, delírius persecutórios, alucinação, problemas respiratórios, redução de testosterona, surtos psicóticos, perturbações auditivas e visuais, náuseas e vômitos, desorientação, perda do auto-controle, convulsões, síncope cardíaca, degeneração de nervos periféricos, paralisia, amputação, depressão respiratória e cardíaca, coma, morte! Temos que lembrar também dos violentíssimos e dolorosos processos de abstinência tanto em relação ao usuário desesperado pela dependência química como para a família e entes queridos… seres humanos que se tornam capazes de matar ou morrer porque fisiologicamente seu organismo necessita da substância química! Sem esquecer que o organismo humano se torna cada vez mais tolerante à quantidade utilizada e precisa de doses cada vez maiores ou de outras drogas mais potentes para produzir os efeitos desejados.

 

COMENTÁRIO: Aqui Heloisa Helena promove toda a desinformação e todos os preconceitos. Para começar, na definição de “drogas psicotrópicas que atuam diretamente no sistema nervoso central” cabem uma infinidade de substâncias, inclusive o café, por exemplo. A falta de qualquer rigor científico ou mesmo mínimo compromisso com a verdade dos fatos fica clara. Ela mistura deliberadamente efeitos do abuso das mais diversas substâncias como se não houvesse diferença nenhuma entre elas, indo da “perda de memória de curto prazo”, associada ao uso constante de maconha, uma droga leve, até a “coma, morte”, conseqüências de superdoses de algumas drogas pesadas.

A abordagem da questão das drogas através do discurso contra a droga, como se houvesse tal entidade mítica a ameaçar a juventude e a sociedade, não difere em nada daquela do governo George W Bush nos EUA, por exemplo, para citar um antípoda ideológico de Heloisa Helena. Outro erro dela é a confusão entre usuários e dependentes químicos, que estão longe de ser a mesma coisa. Para ilustrar o que queremos dizer, do total de pessoas que bebem álcool, quantas se tornam alcoólatras que demandam tratamento? Nos EUA, estima-se em 160 milhões o número de usuários de álcool, 14 milhões o de usuários diários, cinqüenta mil casos de intoxicação alcoólica aguda são registrados por ano e ocorre uma morte por semana relacionada diretamente ao abuso de álcool. O mesmo acontece em relação às drogas ilícitas, usuário não é sinônimo de dependente químico, a não ser nas cabecinhas de Bush, Bolsonaro e Heloisa Helena.

Agora, de alucinações e delírios persecutórios Heloisa Helena, que é tão visionária e tão perseguida, deve entender na prática.

E… não sejamos cínicos, pois estamos numa economia capitalista globalizada e capaz de promover gigantescas, livres e “criativas” redes de comércio para atingir sem risco milhões de consumidores potenciais no Brasil e assim faturar muitos bilhões de dólares a mais do que faturam hoje na ilegalidade. Depois, quando a desgraça estiver instalada, entrará a conversa fiada que gera emprego no campo, na cidade, na indústria e que economicamente arrecada dinheiro pelos impostos e que o Governo vai controlar a qualidade do produto e impedir a venda para menores de 18 anos (kkkkkk… tem que rir pra não infartar!) e outros mais blá blá blá…Ora, os Governos não conseguem nem controlar os mosquitos da dengue, nem assegurar leito hospitalar para mulheres com as mamas em neoplasia maligna apodrecida externamente, não garantem tratamento e recuperação aos usuários de hoje imagine se serão capazes assegurar fiscalização, monitoramento e controle na comercialização do livre mercado ou o tratamento para milhares de novos usuários de drogas psicotrópicas!! No final das contas o elogiado mercado interno de massas em nosso país será o alvo consumidor, seja nas comunidades pobres e vulneráveis socialmente ou manipulando os aspectos psicológicos característicos à infância e juventude em todos os setores da sociedade ou promovendo novidades químicas entre adultos mesmo!

 

COMENTÁRIO: De fato, vivemos numa sociedade capitalista, logo qualquer produto legal (ou mesmo ilegal) é passível de ser comercializado, de ser trocado, em termos capitalistas, isto é, como mercadoria. Se Heloisa Helena tivesse lido o Livro I de uma obra intitulada “O Capital”, escrita por Karl Heinrich Marx, ela entenderia isso.

Para tentar impedir os excessos é que existe a regulamentação por parte do Estado. Ela pode ser falha, mas por acaso a proibição das drogas é eficiente? Não, e ainda é um fator gerador de violência e corrupção. Na verdade, é exatamente porque já existe um grande mercado consumidor de drogas que a proibição é ineficaz e contraproducente, mas isso Heloisa Helena não quer discutir. Para ser coerente ela deveria voltar a sua ira moralista contra os consumidores de drogas, reproduzindo o discurso do personagem Capitão Nascimento no primeiro filme Tropa de Elite.

Minha proposta? Não legalizar e botar pra quebrar no crime organizado e no narcotráfico esteja ele onde estiver (especialmente nos Palácios de Riqueza e Poder que ganham bilhões na ilegalidade e ganharão muitos mais na legalidade!). Além da mais bela e digna proposta que há: disputar o coração e a mente de cada criança e jovem em cada metro quadrado do Brasil com educação, música, cultura, esportes… Ah! Alguém dirá…Impossível! Um outro…Romantismo ridículo! Um outro… Coisa de fundamentalismo religioso! E eu e muitos outros? Continuamos a lutar – respeitando os que honestamente defendem outro ponto de vista – mas com a persistência implacável que é necessária para enfrentar essa proposta reacionária de legalização de mais drogas psicotrópicas que servirá para que a nossa juventude esteja entupida de “maravilhosos” momentos de dependência química, distanciados do mundo real e incapacitados para a construção de qualquer projeto social pautado na verdadeira democracia popular!

 

COMENTÁRIO: Em resumo, Heloisa Helena defende a continuidade da política criminal de “guerra às drogas”, já praticada no Brasil pela ditadura militar, Sarney, Collor, FHC e Lula, imposta ao mundo pelo “grande satã” imperialista, os EUA. Da mesma forma que os incautos delegados da ONU reunidos em 1998, ela acredita num mundo sem drogas. A “verdadeira democracia popular” será uma sociedade sóbria e puritana, na qual não será permitido “fugir do mundo concreto”. E ai de quem discordar.

Para abraçar de corpo e alma a bandeira da “guerra às drogas”, Heloisa Helena, como uma mistura de Jane Calamidade e Joana D’Arc do proibicionismo radical, quer “botar pra quebrar no crime organizado e no narcotráfico” e aponta a sua espada flamejante (ou seus revólveres) para os “palácios de riqueza e poder que ganham bilhões na ilegalidade e ganharão muitos mais na legalidade”. Ela finge ignorar que os presos e os mortos dessa cruzada moralista contra as drogas não são os moradores de nenhum palácio, mas sim jovens negros e pobres do sexo masculino entre 15 e 30 anos, em sua esmagadora maioria. Tampouco apresenta qualquer argumento racional para demonstrar que os que ganham hoje na ilegalidade ganharão mais na legalidade. Se for assim, por que os malvados Estados burgueses ao redor do mundo, a começar pelos EUA, não legalizam as drogas?

Em suma, o texto de Heloisa Helena é uma pérola rara da estupidez proibicionista, articulada num estilo quase extinto de discurso purista de inspiração maoísta, e exatamente por isso merece ser analisado e criticado. De quebra ele consegue a proeza de condensar em poucos parágrafos todos os erros trágicos (e cômicos) da esquerda autoritária ao longo do século XX, do desprezo pela liberdade individual até a alteração dos fatos e das fotos de acordo com as conveniências da “razão de estado”, ou razões do partido. A moralidade estreita e ultraconservadora de Heloisa Helena, que não se limita ao tema das drogas, mas também se estende ao direito de escolha das mulheres sobre prosseguir ou não uma gestação, por exemplo, é a mãe de todos os gulags e a lenha de todas as fogueiras da Inquisição.

__________________________________
*PS: Heloisa Helena é atual vereadora em Maceió e ex-Senadora da República.

TEXTO DE HELOISA HELENA COMENTADO POR GERARDO SANTIAGO

43 comentários:

  1. HELOISA.. HELENA... VAI TOMA NO CU!

    ResponderExcluir
  2. Decepção, Heloísa, decepção.

    ResponderExcluir
  3. pelo amor de Deus hemm... estudar Heloisa Helena eh o fim da picada neh... por acaso esse gnomo da tasmania pagou por essa propaganda??

    ResponderExcluir
  4. Tem mais alguem nessa galaxia, interessado na opinião de Héloisa Hélena?

    ResponderExcluir
  5. Ela deve tirar o dela no tráfico ilegal e quer manter as coisas como estão, parece que não, mais estão cheios deste no estado

    ResponderExcluir
  6. Até tatu, Heloísa?!

    ResponderExcluir
  7. Cara, que comentário Fooooodaaastico.
    Gerardo Santigo é inteligente, tem uma visão ampla e critica(filósofica),e escreve bem pra caralho...
    Que isso!!
    FOI SODA

    ResponderExcluir
  8. O que me deixa mais indgnado é sabe que uma pessoa como ela, que tem muita menos informação que eu (informado o suficiente, ta num cargo político.
    Ultraconservadora proibicionista do caralho

    ResponderExcluir
  9. Mais uma politiqueira, vive da politica, nao trabalha, e se trabalha e cargo politico doado por amiguinhos...

    mais uma babak politica de merda, pode ir pro saco ou para o paredao.. lixo humano

    ResponderExcluir
  10. o Gerardo é muito foda! Palmas pra ele!!!

    ResponderExcluir
  11. Entristece, pois Heloísa não dá nem pra xingar, pelo respeito que tenho por ela.

    Não acho q seja corrupta como estão comentando. Pelo contrário.

    Não é corrupta. É só proibiciopata curável.

    ResponderExcluir
  12. decepção, eu até botava fé nela antigamente.

    ResponderExcluir
  13. Sempre respeitei e continuarei respeitando a senhora que é pra mim um exemplo de ética e seriedade. PORÉM, hj esse respeito caiu muitos degraus ao vez argumentos postos de forma tão simplista e sem nenhum argumento, repito NENHUM EMBASAMENTO coerente, teórico, científico.

    Passaremos desta idade de trevas e avançaremos rumo a uma sociedade sojo CONHECIMENTO seja a base da verdadeira argumentação.. ou persistiremos em ser uma sociedade cuja ignorância só gere mais ignorância e poder sobre as massas.

    MACONHA PODE FAZER MAL.
    ASSIM COMO ALCOOL
    BACON
    REMÉDIOS
    CAFÉ
    EXCESSO DE ATIVIDADES FÍSICAS.
    ETC ETC ETC
    MUITO SEXO
    COCAÍNA
    BURRICE
    TELEVISÃO

    o que difere tudo isso de lazer, droga, medicamento… É O USO!

    vamos olhar as coisas sem a lógica proselitista e demagoga dos pseudo-de-DEUS.

    DEUS É O UNIVERSO. A VIDA, O SOPRO DO VIVER. AS IGREJAS ESTÃO SE ESVAZIANDO… FALTA DE DEUS? CLARO QUE NÃO…

    AS PESSOAS ESTÃO ENCONTRANDO A ESPIRITUALIDADE, O SEU DEUS, DENTRO DE SI MESMAS… E NAO EM CARTÉIS DE ARRECADAÇÃO E ENRIQUECIMENTO DE ELITES.

    A REVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO CHEGOU MINHA AMIGA HELOÍSA… E QUERENDO VOCÊ OU NÃO, UM DIA VOCÊ SE ENVERGONHARÁ POR ESSAS PALAVRAS PÍFIAS.

    (o brasil nao pode virar essa república de aiatolás-evangélicos.)

    DIVERSIDADE.

    ResponderExcluir
  14. não pode. e não vai. pobre Helô... podia ficar do lado certo da história... rs


    será que falta informação?

    VAMOS CARREGAR O MUNDO DE INFORMAÇÃO ENTÃO MINHA GENTE!

    ResponderExcluir
  15. ainda bem que essa imbecil nao se elegeu presidente da republica............dilma, da uma aula pra eessa otaria e lagaliza a erva...ai fica fino........soh tora pra todo lado.....e eu na fita...hehehe

    ResponderExcluir
  16. Meu Deus cara!!!

    To de saco cheio com esses politicos de mierda que se dizem defensores do povo.. Heloisa é uma esquerdista que tanto pra nós, quanto para os proibicionistas representariam no poder as bestas feras de regimes totalitarios como Hitler, Stalin que justificavam o sangue derramado em benefício do povo, ou melhor para controle do povo... assim como religiões que separam os irmãos em comum... Jah agora e sempre!!!! Nossa vitoria não será por acidente.!!!

    ResponderExcluir
  17. E sinceramente, tenho muito medo de políticos que berram na tribuna. Seja por este assunto ou por qualquer outro. Não controlam a megalomania sonhadora de algum dia terem todos amordaçados á seus pés!!!

    ResponderExcluir
  18. por essa eu não esperava...

    ResponderExcluir
  19. Luiz Fernando Prôa20 de julho de 2011 01:11

    Caro Gerardo, sensacional a sua crítica, um banho de lucidez contra um discurso medieval. Essa vereadora está usando do que tem de mais velho na política e principalmente nos políticos decadentes: defender uma bandeira do medo, moralista, para conseguir votos para a próxima eleição. Dentro de um discurso desinformado, que parece até estar dirigido ao crack e ao álcool, mistura num saco de gatos usuários e dependentes, baseado ou um chopp com drogas pesadas capazes de produzir overdose. O que ela esquece é que futebol, igreja, carnaval, novela, noticiário, etc., são drogas tão letais ou mais, quando usadas para desinformar, infantilizar, manipular e outros ars, enquanto nosso país está sendo dilapidado pelo capital, pela corrupção e pela falta de humanidade. Nosso meio-ambiente virou matéria-prima dos países ricos, por isso o governo atual nos empurra goela abaixo, como nos tempos da ditadura, Belo Monte, desmatamento da Amazônia, usinas e submarinos nucleares, indústrias altamente poluidoras como a CSA aqui do Rio, movida a carvão. Se essa vereadora não tivesse perdido o rumo da história, e da “escola”, estaria lutando contra essas terríveis drogas que assolam nossa sociedade e que não são químicas.
    Está na hora do PSOL expulsar de seus quadros essa mulher fundamentalista, que defende a criminalização da pobreza e a pena de morte nas favelas, via o proibicionismo da guerra às drogas, a supressão de liberdades individuais e de direitos fundamentais garantidos pela Constituição.

    ResponderExcluir
  20. A proibição da maconha sempre foi, para mim, um ato associado à esquerda, pq é bem do socialismo querer privar uma liberdade individual de uma pessoa. Eu sempre achei a legalização da maconha uma ideia de cunho liberal e o liberalismo é uma vertente política da direita. É claro que a maconha é associada à esquerda pela mídia mas não é o certo.

    ResponderExcluir
  21. ela confunde dependentes de crack com usúario esporadico de maconha, algo que quem realmente se encontra na situação vê sua realidade longe disso, ela diz "férias químicas de si mesmo e do mundo medíocre”.
    Ela acha que todos usúarios de drogas são derrotados e estão a margem da sociedade.
    Triste alguem pensar assim, sou usúario de maconha e minha vida não é essa realidade que voçe pensa,aqui nivel eh amsterdãn, dentro do brasil hahahaha
    soh no skank
    #filhadaputa!

    ResponderExcluir
  22. E pensar que na ultima eleição presidencial eu votei nessa mulher!!!

    Arrependi amargamente!

    IceBong

    ResponderExcluir
  23. Pra alguém que já teve um caso sexual com o Luiz Estevão e depois negou na maio cara-de-pau...Isso não me surpreende.

    ResponderExcluir
  24. Esse povo evangelico (não todos viu), mas alguns não pensam por vontade propria, se o pastor falou que pirulito e droga e deve ser combatido, assim será, pois contem açucar nele, a açucar ao contrario da maconha mata.

    ResponderExcluir
  25. importante é que o PSOL não pensa bem dessa maneira, ou ao contrario dos outros partidos não tem interesse em dizer que a gurra dos nazitas contra o mundo, ou dos EUA (nossa tm, pois somos capachos deles e não nos dão o direito de debater) contra dorgas ou supostas drogas (no caso da erva) ainda podem ser ganhas, mesmo com o mundo perdendo.
    Abaixo o moralismo e radicalismo!!!!!!!

    ResponderExcluir
  26. ODEIO ESSA MULHER!!!! TEM QUE MORRE

    ResponderExcluir
  27. Lamentável a postura desta senhora, entretanto esta posição não é majoritária no PSOL, e vamos ao 3º Congresso do PSOL lutar para que o Partido entre de cabeça, com seus representantes no Parlamento, na luta pela Legalização.

    Paulo Moraes
    CANNAPS
    PSOL

    ResponderExcluir
  28. Ninguem é obrigado a concordar com ninguem, mas criminalizar alguem por não concordarem comigo, com certeza é o tipo de guerra declarada pela familia bush,(referencia ao seu J.Bush pai), que para proteger seu mercado livre de petroleo, decretou sobre laudo politico que maconha é droga.
    Infeslismente tem seus seguidores, assim com tem no da guerra do golfo tm. A questão é que nossa guerra perdida não é possivel ser ganha.

    ResponderExcluir
  29. Nunca me enganou essa ai

    ResponderExcluir
  30. "(...)PSOL lutar para que o Partido entre de cabeça, com seus representantes no Parlamento, na luta pela Legalização.(...)"

    O 'pra lamento' entrou em recesso. Recesso de...de...de não fazer nada.

    Enrolaram um mês pra decidir se o salário mínimo seria 500 ou 502 reais.

    Depois começa a escala de revezamento de escândalos. Ora um é relator, ora é indiciado e tudo dá em nada. Joguinho de cena.

    Desculpe-me, Paulo, mas o 'pra lamento' não tem interesse e nem capacidade pra resolver nada, muito pelo contrário.

    Se a legalização ocorrer sem autorização dos EUA, será por algum evento de impacto que chegue ao STF. Por exemplo, 20.000 acendendo em frente ao planalto ou similar.

    Polícitos não servem pra nada, se servissem não seriam políticos.

    ResponderExcluir
  31. eu votei nessa vagabunda ai....

    ResponderExcluir
  32. Gerardo refutou tudo, não faltou uma falácia da maoísta maluca. Parabéns!

    ResponderExcluir
  33. Desmoralizou a última esperança política.

    PSOL acabou antes de começar.

    ResponderExcluir
  34. Na 'lógica' dela, se não governos não conseguem (não querem, Heloísa, desde quando vc é ingênua?) tratar usuários crônicos, deve-se proibir.

    Então é provável que ela seja a favor de proibir que fiquemos doentes. Ora, se governos não conseguem acabar com mosquistos, fica proibida a dengue. Simples assim.

    ResponderExcluir
  35. só li um pouco..
    Eu trabalho , pago minhas contas e impostos ...Eu quero meu lazerrr
    Aê, eu só quero plantar e fumar a minha santa ervinha...

    ResponderExcluir
  36. Klaus Schweinsteiger21 de julho de 2011 05:27

    Cara, esse Gerardo Santigo aí, é só um advogado mesmo ou um doutor em filosofia, política, economia, psicologia e direito? Esse comentário dele engloba de maneira muitíssimo bem abordada e inteligente todas essas esferas.

    ResponderExcluir
  37. Surpresa nenhuma, é muito comum entre políticos a mudança de discurso...Até o Gabeira que sempre levantou a bandeira da legalização recuou...
    Bobo é quem leva fé nesses manes...todos eles...todos mesmo...

    Hernesto Anarcokunk

    ResponderExcluir
  38. vc manipulou o texto direitinho...uma pena tantas pessoas nao terem discernimento pra ver. o egoismo impera em nossa sociedade, cada um quer seu baseadinho e o resto que se dane, ne? um blog sobre maconha? q tal vc escrever sobre alguma coisa ultil? q va acrescentar: sobre a corrupcao, a falta de educacao, os salarios absurdos q sao vistos no brasil. Q tal, vc comecar mobilizando toda essa gente pra algo positivo?

    ResponderExcluir
  39. ainda tenta falar bonito, mulher deprimente

    ResponderExcluir
  40. uhauahuauah
    o comentario do mané que veio xingar nao fala nada ainda, pq argumento a gente não espera mais mesmo.

    ResponderExcluir
  41. Ela só é mais uma em meio a milhões de pessoas que se utilizam do senso comum para nortear suas opiniões... na minha opinião este é o grande obstáculo para a resolução de inúmeros problemas, as pessoas não conhecem a fundo aquilo que defendem. A questão da maconha é tratada de forma errônea pela esmagadora maioria, foi criada uma imagem extremamente ruim do uso da maconha, as pessoas imaginam que quem utiliza a droga não tem condições de conviver em sociedade, e na verdade não é isto que acontece, sabemos muito bem que existem usuários nos mais variados ramos sociais, são pessoas normais que fumam a erva, são pessoas que trabalham, estudam, namoram, opinam... enfim, a maior diferença é que os usuários da mesma são menos estressados, pois utilizam a maconha como válvula de escape para o estresse e cansaço do dia-a-dia, se existem pessoas que se dopam de remédios para conseguir dormir, porque cargas d'água não podemos fumar para dormir mais tranquilamente??? A questão é: as pessoas são hipócritas demais, isso atrasa muita coisa no Brasil e no mundo.

    ResponderExcluir