segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

As Religiões no Sacro Império Romano! [OnJack Ed. #157]

Face a um domínio que se desmorona­va, corrupção política desenfreada e uma série de guerras ruinosas com bár­baros, o velho Império Romano estava à beira do desastre. As contorções de índole religiosa que a classe dirigente romana foi obrigada a exercer de forma a conservar o poder terreno levaram os seus líderes políticos a reprimir a saudá­vel diversidade de cultos e religiões in­dividuais.

 

Para se salvarem politicamente, as au­toridades do império anteriormente panteísta alteraram a sua política. Com início em 249, diversos impera­dores lançaram uma série de sangrentas perseguições, as quais incluíam os incômodos cristãos. Porém, em 306 era claro que esta política não estava resultando. O imperador Constantino suspendeu as execuções e começou a apadrinhar o cle­ro cristão, o qual adotou prontamente um dogma retirado do mitraísmo, entre outras religiões: "O Sangue Real por Nascimento" e "O Direito Divino de Go­vernar Outros Homens".

 

 

O ambicioso Constantino percebeu que durante a clandestinidade a igreja transformara-se numa hierarquia in­tolerante e fechada; em termos de influência, a rede bem organizada da igreja só tinha rival na sua. Ao combinar-se a igreja e o estado, cada uma das partes logrou duplicar o seu poder, pas­sando a contar com o apoio/benção da outra parte para perseguir os crimes/pecados dos seus rivais.

Columbia History of the World, Harper & Row, NI, 1981.

 

Constantino não tardou a converter-se ao cristianismo e a decretar uma religião obrigatória, monista, imposta pelo estado: a Igreja Católica Romana (ICR); literalmente, a Igreja Romana Universal ("católico" significa "univer­sal" em latim). Esta era agora a religião absoluta e oficial do império. De uma só penada, foram proibidas todas as so­ciedades secretas capazes de ameaçar o mandato de que a ICR se investira para reger o mundo conhecido, conforme Roma fizera consecutivamente durante os 400 anos anteriores.

7 comentários:

  1. o nosso 4:20 eh o peixinho dos cristãos! hehehhehehee
    lembrando q era a religiao absoluta e oficial do império do ocidente. no oriente eles eram Ortodoxos. haviam desavenças culturais

    ResponderExcluir
  2. Realmente amplia a sua visão...

    ResponderExcluir
  3. nessa epoca eles montaram essa mornaquia crista, que esta isolado algums continente ate hoje, se pulamos pro brasil explore a cultura e olhe o que eles emvoveram? ja estava no soló_\|/_

    ResponderExcluir
  4. e viajando no tempo e sabendo a verdade, o importante disso tudo e demascara a contradição e tenta exega a razão,.E aquilo, SERÀ quanto mais fé mais misterio pra conta nesse sabe por que,,
    legaliza pra começa>

    ResponderExcluir
  5. E o apocalipse fica a onde? se chega demolido o grande imperio russo! ae fica a perguta

    ResponderExcluir
  6. historia é arte! ficou show

    ResponderExcluir
  7. Reportagem que tem como titulo maconha é a "droga"(insultando o sagrado, mas mantendo a lei dos eua que nos domina)mais consumida na america do sul.
    Apesar de incluirem a erva sagrada entre as drogas, não incluiram o principal dano que seria ao meio ambiente, pois queimadas costumam ser ilegais, deixa pra lá é ordem da OTAN (não citei nome de nenhum pais agora kk).
    Reportagem muito respeitosa, pois citaram assim "toneladas da erva" e não "da droga", esse tipo de coisa que temos que mais que elogiar, cobrar respeito aos leitores da cultura cannabica.
    http://www.jornalacidade.com.br/editorias/brasil-e-mundo/2012/02/28/maconha-ainda-e-principal-droga-usada-na-america-do-sul-diz-relatorio.html

    ResponderExcluir